February 6, 2019

Please reload

Posts Recentes

Dificuldade ou Transtorno de aprendizagem. Você sabe a diferença entre eles?

September 29, 2017

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

Dificuldade ou Transtorno de aprendizagem. Você sabe a diferença entre eles?

September 29, 2017

Você sabe qual é a diferença entre transtornos de aprendizagem e dificuldades de aprendizagem?

Não? Então eu te convido para refletir um pouco sobre esse tema que é de extrema importância!

 

Alguns pesquisadores descrevem inicialmente distúrbio de aprendizagem como uma “alteração violenta na ordem natural da aprendizagem por anormalidade patológica”. Que teria sua origem orgânica e individual.

Já a definição para dificuldades de aprendizagem é apontada mais uma vez de origem individual, porém desencadeada por dificuldades emocionais, ambientais e orgânicas.

Percebemos que uma teria sua origem orgânica/biológica e a outra variáveis intrínsecas e extrínsecas ao individuo.

Hoje no universo escolar e educacional pairam descrições e definições diversas sobre os transtornos de aprendizagem e dificuldades de aprendizagem, educadores e pais recorrem a nós psicólogos todo o tempo com dúvidas e solicitações de avaliações direcionadas a estas questões.

Porém é muito importante que o nosso olhar seja crítico e reflexivo quando abordamos um assunto tão importante, e de grande influência para a sociedade.

Tais definições propõem que o aluno não aprende por fatores biológicos ou orgânicos, porém não se podem excluir os processos educacionais em que estes estão envolvidos. Sabemos que o sistema educacional hoje do Brasil especialmente o sistema de educação pública não compreende as singularidades dos alunos e os processos de alfabetização são realizados utilizando-se de práticas pedagógicas escassas, com professores mal remunerados e com péssimas condições de trabalho, o que podem causar graves dificuldades de leitura e de escrita nos alunos.

Portanto, é necessário descriminar distúrbios de aprendizagem das dificuldades, mas acima de tudo é importante refletir sobre os aspectos sociais e culturais que os alunos estão imersos hoje.

 

É a Dislexia? O que é?

 

A dislexia é considerada um transtorno específico de aprendizagem de origem neurobiológica, caracterizada por dificuldade no reconhecimento preciso e/ou fluente da palavra, na habilidade de decodificação e em soletração.(essa afirmação foi retirada do site de dislexia da Associação Brasileira de dislexia) Porém existem autores que apontam uma reflexão mais profunda sobre o tema e nos fazem refletir sobre a veracidade deste transtorno.

(Moyses e collares 2011)em suas pesquisas apontam sobre a importância de refletirmos sobre o tema, as autoras ressaltam que o diagnostico de uma possível dislexia é realizado a partir de testes que verificam erros na leitura e na escrita dos possíveis acometidos pelo transtorno. Compreendendo que estas pessoas já não possuem o domínio da leitura e da escrita, não conseguem responder as habilidades exigidas pelo exame e então são diagnosticadas com o distúrbio, já que não conseguiriam ler e escrever corretamente.

(Moyses e Collares 2011) apresentam ainda questionamentos importantes sobre a dislexia, considerando que as características da possível síndrome são apresentadas apenas a partir de dificuldades na leitura e na escrita, no Brasil dados do IBGE apontam que 18 milhões de Brasileiros não sabem ler nem escrever, como diferenciar o analfabetismo de pessoas acometidas pela possível síndrome?

As autoras apontam também que o diagnóstico desta síndrome desvia o nosso olhar das relações macro educacionais, direcionando-o para relações micro, retirando toda a crítica das falhas existentes no sistema educacional e culpabilizando apenas os indivíduos.

Considerando as pesquisas citadas, compreendo que a superação do diagnostico da possível síndrome, acontece a partir da compreensão das subjetividades dos alunos e de suas formas de aprender. Isso também ocorre quando existe um investimento maior em recursos tecnológicos, capacitação de professores e discussão dentro do espaço educacional que envolva pais e educadores.

Uma ferramenta pedagógica importante para ser utilizada seria investigar o aluno diante de sua facilidade para apreender, compreender como ela aprende melhor e ter domínio e referenciais e métodos pedagógicos para o ensino da leitura e da escrita.

Hoje existe um nível alarmante de crianças diagnosticadas com possíveis síndromes e também medicalizadas! 

É importante que os profissionais da saúde, educação e toda a sociedade reflita e questione sobre a naturalização de tais patologias, considerando que as consequências de diagnósticos levianos podem ser devastadoras para autoestima e para aprendizagem da criança.

Referências bibliográficas:

 

BOCK , A. M. B. Psicologia da Educação: cumplicidade ideológica. In: MEIRA, M. E. M.; ANTUNES, M. A. M. (Orgs.). Psicologia Escolar: Teorias Críticas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003, p. 79-104.

 

MOYSÉS, M. A. A; COLLARES, C. A. L. O lado escuro da dislexia e o TDAH. In: FACCI, Marilda Gonçalves Dias; MEIRA, Marisa; TULESKI, Silvana Calvo (Orgs.). Exclusão e inclusão: falsas dicotomias. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011.

Lígia Dias Mendes, CRP 04/39709

Especialista em Psicologia da Educação, psicóloga clínica de crianças, adolescentes e adultos.

Coordenadora do Ampliar Psicologia Clínica & Educação

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Procurar por tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2017 AMPLIAR psicologia & Educação. Orgulhosamente criado por Wix.com

  • w-facebook
  • w-googleplus
  • w-youtube